Informações

X

Adquira sua Passagem

Atendimentos Especiais

Como é o procedimento para embarque de gestantes?

É exigida autorização médica a partir do 7º mês de gestação.

A partir da 36ª semana de gestação, é exigido acompanhamento médico.

No período pós-parto não existem restrições específicas para a mãe. No entanto, deve-se adiar a viagem do recém nascido para depois da 1ª semana de vida, devido às várias transformações que ocorrem no bebê e a fragilidade do mesmo nesse período.


Como embarcar um menor desacompanhado?

É exigida autorização judicial para crianças de até 12 anos viajando desacompanhadas. Para crianças viajando com ascendentes (pais e avós) ou colaterais (irmãos e tios), desde que estes sejam maiores de 18 anos, será exigida somente comprovação documental, não sendo necessária autorização judicial. Tais viagens devem obedecer ao contido no ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE.


Como é feito o transporte de passageiros portadores de alguma deficiência?

Ao efetuar reserva para passageiros que requeiram assistência especial, entre em contato com nossa empresa através do telefone (65) 3614-2599, que providenciaremos o devido acompanhamento.


Em quais condições de saúde a Asta não transporta passageiros?

Não transportamos pessoas em maca, ou que não possam usar o assento na posição vertical, quando solicitado (durante o pouso e decolagem).


Diabéticos

Em sua bagagem de mão leve os medicamentos e equipamentos de que faz uso desde que esteja acompanhado da receita médica: agulhas, seringas e glucosímetros, que também são aconselháveis para uma viagem segura.

O passageiro deve ter consigo barras de chocolate ou outras fontes de açúcar para que não ocorra hipoglicemia secundária por jejum prolongado. Caso contrário tais medicações serão retidas e proibidas o seu embarque pelos Agentes de Proteção da Aviação Civil. (APAC)


Doenças cardíacas

O vôo é desaconselhável nos seguintes casos:
- Infarto Agudo do Miocárdio não complicado há menos de três semanas;
- Infarto Agudo do Miocárdio complicado há menos de seis semanas;
- Angina instável;
- Insuficiência cardíaca grave ou descompensada;
- Acidentes vasculares cerebrais (?Derrames?) há menos de duas semanas.


Doenças respiratórias

Os passageiros portadores de doenças respiratórias devem estar especialmente alerta devido à menor pressão de oxigenação da cabine. Se for portador de asma brônquica deve estar compensado e levar sempre consigo seus medicamentos habituais.


Doenças infecto-contagiosas

É totalmente contra-indicada à viagem de pessoas em fase ativa de doenças infecto-contagiosas. Embora muito raro, devido à filtragem de ar da cabine, são descritos casos de transmissão de doença a bordo. Sendo assim, não são aceitos para o vôo, por representarem riscos aos demais passageiros, portadores de:

Tuberculose pulmonar em fase ativa; Virose de transmissão respiratória (catapora, rubéola, sarampo, etc.).


Doenças neurológicas e psiquiátricas

Os passageiros portadores de epilepsias devem exercer especial controle para as viagens aéreas. Freqüentemente ocorrem descompensações com risco de convulsões precipitadas pela menor pressão atmosférica, atrasos ou alterações na medicação habitual podem contribuir para isso.

Portadores de doenças psiquiátricas não devem viajar desacompanhados, pois podem acarretar situações de risco para si mesmo e para os demais passageiros. Os estresses aeroportuários, entre outros fatores, podem ajudar a descompensar em casos que não estejam totalmente controlados.


Cirurgias

Passageiros submetidos a cirurgias recentes (menos de uma semana) devem sempre apresentar autorização médica.

É permitido o embarque de cão treinado para acompanhamento de deficiente visual ou auditivo?

Será permitida na cabina de passageiro, em adição à franquia de bagagem e livre de pagamento, o transporte de cão treinado para conduzir deficiente visual ou auditivo, que dependa inteiramente dele.

Para isso, o passageiro deverá apresentar atestado de sanidade do animal, fornecido pela Secretaria de Agricultura Estadual, Posto do Departamento de Defesa Animal ou por médico veterinário.